Cineteka.com - Videoclube de culto para cinéfilos exigentes
Videoclube Adesão Ajuda Preçário Contactos Parcerias Login

Brevemente... Novidades Promoção TOP + Reposições Premiados Ao Acaso Acção Animação Aventura Biografia Clássico Comédia Crime/Policial Desporto Documentário Drama Família Fantasia Ficção C. Film Noir Guerra História Musical Religião Romance Séries/TV Terror Thriller Viagens Western Erótico
São Jorge ()
TrailerAlugar
6 Prémios e 18 Nomeações
Realização:
Marco Martins
Ano: 2016
Género:
Drama
Idade: M/14
Duração: 112 min
IMDB: 7.1
Jorge (Nuno Lopes) é um pugilista desempregado que tenta a todo o custo encontrar formas de garantir o sustento de Susana e Nelson (Mariana Nunes e David Semedo, respectivamente), a mulher e filho. Quando ela, emigrante brasileira, decide fugir da crise financeira que se instalou em Portugal e regressar ao seu país, Jorge fica sem saber o que fazer. Como último recurso, aceita um trabalho numa empresa de cobrança de dívidas. Usando o seu corpo treinado para a luta corpo a corpo, passa a intimidar pessoas que, tal como ele, se encontram numa situação desesperada. De um momento para o outro, vê-se a atravessar a fronteira da moralidade e a entrar num mundo de criminalidade gerada pela pobreza e pela falta de alternativas...

Terceira longa-metragem de Marco Martins – depois de "Alice" (2005), também protagonizada por Nuno Lopes, e de "Como Desenhar Um Círculo Perfeito" (2009) –, um filme dramático sobre os anos de intervenção da "troika" em Portugal, cuja acção se desenrola nos bairros da Bela Vista (Setúbal) e Jamaica (Seixal). O actor Nuno Lopes recebeu o Prémio Orizzonti para Melhor Actor no Festival de Veneza pela sua interpretação.
Detalhes Técnicos
Duração: 112 min. Vídeo: Widescreen 1.85:1 anamórfico
Áudio: Português Dolby Digital 5.1
Comentários dos utilizadores: Escreva um comentário sobre este título
Um Filme Panfletário (Pontuação: 4)
Este é mais um filme sobrevalorizado pelo motivo do costume, ser politicamente um panfleto de esquerda anti-qualquer coisa, no caso vertente, supõe-se que seja contra a austeridade que foi imposta a Portugal em 2011. Apesar disso e de Marco Martins ser manifestamente um cineasta menor que precisa destes expedientes para singrar, aqui ele consegue construir uma personagem, Jorge, com algum interesse, muito graças ao seu actor, cujo trabalho foi reconhecido. Há no filme algo de Teresa Vilaverde na escolha da miséria urbana em que se desenrola a história e na imagética desolada e ansiogénica, mas sem o talento daquela. O naturalismo adoptado é não apenas falhado, mas muito aborrecido para o espectador, nomeadamente na inacreditável pronúncia dos diálogos, que chega à total incompreensão daquilo que é dito. Tinha uma certa curiosidade neste filme devido à reputação que ele adquiriu, mas também teria passado bem sem ele.
Por Pedro Fernandes (PAçO DE ARCOS)2017-12-17
Se gostou deste título, também recomendamos:
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer

Últimos comentáriosPróximos Lançamentos
19/Dez
Trailer
14/Dez
Trailer