Cineteka.com - Videoclube de culto para cinéfilos exigentes
Videoclube Adesão Ajuda Preçário Contactos Parcerias Login

Brevemente... Novidades Promoção TOP + Reposições Premiados Ao Acaso Acção Animação Aventura Biografia Clássico Comédia Crime/Policial Desporto Documentário Drama Família Fantasia Ficção C. Film Noir Guerra História Musical Religião Romance Séries/TV Terror Thriller Viagens Western Erótico
No Nevoeiro (V tumane)
TrailerAlugar
1 Prémio e 1 Nomeação
Realização:
Sergei Loznitsa
Ano: 2012
Idade: M/16
Duração: 127 min
IMDB: 6.7 (1.271 votos)
Fronteiras ocidentais da URSS, 1942. A região está sob ocupação alemã e os habitantes locais tentam resistir a todo custo. Sushenya, um trabalhador dos caminhos de ferro, é acusado de traição e é levado pelos seus companheiros para o meio do bosque para ser executado. Mas quando todos caem numa emboscada, a linha que separa a traição do heroísmo desaparece e Sushenya é obrigado a fazer uma escolha moral.

Notas da Crítica:

(...) um dos mais belos filmes que este ano veremos - Vasco Baptista Marques, Expresso

Por junto a uma história de sobrevivência, é a fábula de pessoas normais em circunstâncias excepcionais que se desenrola NO NEVOEIRO, filmada com precisão formalista e rigor estético exemplar por um cineasta que é uma voz refrescante e um explorador de almas atormentadas - Rui Monteiro, Time Out

Um relato épico, marcado pelos temas da coragem e da traição - João Lopes, Cartaz SIC Notícias
Detalhes Técnicos
Duração: 127 min. Vídeo: Widescreen 2.35:1 anamórfico
Áudio: Russo Dolby Digital 2.0
Legendas: Português,
Comentários dos utilizadores: Escreva um comentário sobre este título
A Guerra Não Mata Só Corpos (Pontuação: 8)
Muitos filmes são uma denúncia da guerra, e este O Nevoeiro de Sergei Loznitsa estará entre os melhores. Quase sem violência física, sendo a acção passada no meio da resistência e da contra-resistência ao invasor nazi, fica plenamente a descoberto a violência psicológica que a guerra representa para aquelas pessoas, chegando Sushenya, num momento filosófico, a declarar que a população daquela região perdida da Bielo-Rússia já não é a mesma que ele conhecera. E, como ele já morrera um pouco ou muito por dentro, é também ele, personagem principal, que deixa de temer a morte de cada vez que a enfrenta de frente. Magnificamente realizado e interpretado, é apesar disso um filme triste, como se Loznitsa nos quisesse dizer que isso é afinal a única coisa a esperar da guerra.
Por Pedro Fernandes (PAçO DE ARCOS)2020-06-14
Se gostou deste título, também recomendamos:
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer

Últimos comentáriosPróximos Lançamentos