Cineteka.com - Videoclube de culto para cinéfilos exigentes
Videoclube Adesão Ajuda Preçário Contactos Parcerias Login

Brevemente... Novidades Promoção TOP + Reposições Premiados Ao Acaso Acção Animação Aventura Biografia Clássico Comédia Crime/Policial Desporto Documentário Drama Família Fantasia Ficção C. Film Noir Guerra História Musical Religião Romance Séries/TV Terror Thriller Viagens Western Erótico
Despedidas (Departures / Okuribito)
TrailerAlugar
33 Prémios e 6 Nomeações
Realização:
Yôjirô Takita
Argumento:
Kundô Koyama
Ano: 2008
Género:
Comédia
Drama
País:
Japão
Idade: M/12Q
Duração: 130 min
IMDB: 8.1 (11.508 votos)
Vencedor do Óscar da Academia para "Melhor Filme Estrangeiro" em 2009, entre muitos outros prémios.

Um músico desempregado responde a um anúncio com o título «Partidas (Departures)» que ele pensa ser para uma agência de viagens mas afinal é para uma agência funerária.

Uma sensível e deliciosa expedição ao Japão mais profundo e um olhar espantosamente belo sobre uma parte muito especial da herança cultural japonesa.

Uma história de amor, descoberta, revelação e transcendência do espírito humano.
Detalhes Técnicos
Duração: 130 min. Vídeo: Widescreen 1.85:1 anamórfico
Áudio: Dolby Digital 5.1 Japonês
Legendas: Português,
Comentários dos utilizadores: Escreva um comentário sobre este título
Um Achado! (Pontuação: 8)
Desta feita sim, a popularidade do filme nos comentários é amplamente merecida. Despedidas é um mau título em português, que deveria ser Partidas. De um alegado erro num anúncio, onde em vez de "derradeiras partidas" foi impresso apenas "partidas", o protagonista é contratado por uma pequena firma que cuida dos corpos dos mortos, mas sem saber ao que vai! Acresce que Daigo, o personagem, é artista, violoncelista, pelo que o choque é brutal. Mais do que uma narrativa, o filme é uma delicada e requintada reconciliação com a vida, tanto para Daigo e sua mulher Mika, como principalmente para o espectador. Sendo um filme com o qual só um semimorto não irá chorar, é ao mesmo tempo um sim à vida. Apresenta-nos um mundo embelezado, poderemos até falar de romantismo, mas sem a mínima lamechice, contido, púdico. O desempenho dos actores é excepcional.
Por Pedro Fernandes (PAçO DE ARCOS)2016-07-27
Bom... mas algo overrated ! (Pontuação: 7)
O filme está bem realizado e beneficia de um tema fora do comum, explorado com mérito, mas não deixa aqui e ali de "se aproveitar" de alguma emoção fácil e de ser um pouco previsível. Bom, sim, mas daí a "um dos melhores filmes de sempre"... vai uma certa distãncia!
Por Leaf (VALONGO)2012-04-02
mt bom
É dos filmes mais bonitos que vi...
Por Nuno Ferreira (UNHOS)2011-12-12
Dos melhores filmes que vi (Pontuação: 10)
Estava com muita curiosidade de ver este filme, porque o feed-back era muito bom. A nota de 8.1 no IMDB, e os 33 prémios ganhos e as 6 nomeações, o facto de ter ganho o oscar para melhor filme estrangeiro ( facto que pessoalmente uso como referência, uma vez que acho que a atribuição deste oscar em particular tem revelado um critério muito acertado ) antecipava um bom filme. A história é lindissima, as interpretações fantásticas, e é um filme que toca. Dos melhores filmes que vi, entra no meu top 10, e merece uma nota 10 de caras. Recomendo a todos.
Por Anúbis (LISBOA)2011-12-12
Humildade, Honra, Dignidade... sabem o que é? (Pontuação: 10)
Pegando no comentário do LM30 que não discordo, mas acrescento e pergunto: será que o filme é "naif, irrealista e lamecha", ou nós é que desconhecemos a cultura japonesa?

Eu acho que este filme é uma grande lição para os povos ocidentais e principalmente os latinos (nós).
Apenas cultivamos o sucesso, consumismo, materialismo e as aparências. Depois em alturas de crise é nos difícil andar para trás. Mas as vezes é preciso mesmo isso.

Este filme mostra um homem que perante as adversidades da vida, soube dar um passo atrás com dignidade. Tocava numa companhia de música e vivia numa grande cidade (Tóquio). Com o fechar da companhia, teve que vender o violoncelo, mudar para a casa dos falecidos pais numa pequena cidade e na procura dum novo trabalho foi parar a uma espécie de agência funerária. Não se trata dum percurso fácil, mas o nosso "herói" - sim porque estes deviam ser os nossos heróis - ultrapassa todos os obstáculos com humildade, honra e dignidade, acabando por nos dar uma valente lição de vida!

Isto, meus amigos, é o exemplo duma cultura superior (a meu ver) que sabe dar o braço a torcer e procurar um novo rumo, em vez de entrar numa espiral de lamurias e queixumes.

Aliás, vimos isso na recente tragédia que se abateu sobre o Japão!

Interessante que o filme ainda consegue ser por vezes irónico, com algumas pitadas de humor negro, que acabam por dar mais prazer e aligeirar o drama.

E por isto tudo, acho que o "Óscar de Melhor Filme Estrangeiro" foi bem entregue.

Nunca visitei o Japão, mas este filme apenas me fez respeitar ainda mais este povo/civilização, com o qual temos muito a aprender.

Um filme a não perder!
Por Angkor (LISBOA)2011-05-25
Surpreendente (Pontuação: 6)
Por vezes parece um pouco naif, irrealista e lamecha. Mas realmente chega a ser emocionante, talvez porque mexa com alguns sentimentos que queremos introvertidos. Da perda dos nossos. O tema é surprendente. Não se trata de uma agência funerária. Trata-se de profissionais que cumprem os ritos funerários nipónicos, budistas e não só, com cerimónia e solenidade. Oferecem aos entes queridos a dignidade que o cadáver, a memória, merece. A ver, é a minha opinião.
Por LM30 (MASSAMá)2011-05-25
Se gostou deste título, também recomendamos:
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer

Últimos comentáriosPróximos Lançamentos
18/Set
Trailer
30/Ago
Trailer