Cineteka.com - Videoclube de culto para cinéfilos exigentes
Videoclube Adesão Ajuda Preçário Contactos Parcerias Login

Premiados TOP + Reposições Ao Acaso Acção Animação Aventura Biografia Clássico Comédia Crime/Policial Desporto Documentário Drama Família Fantasia Ficção C. Film Noir Guerra História Musical Religião Romance Séries/TV Terror Thriller Viagens Western Erótico
Austrália (Australia)
TrailerAlugar
3 Prémios e 11 Nomeações
Realização:
Baz Luhrmann
Ano: 2008
Idade: M/12
Duração: 159 min
IMDB: 7.1 (16.831 votos)
Depois do enorme sucesso internacional de “Romeu e Julieta” e “Moulin Rouge”, Baz Lurhman volta às suas origens para contar uma história de amor passada na Austrália - o seu país natal - no início da Segunda Guerra Mundial. Sarah Ashley (Nicole Kidman), é uma aristocrata inglesa que ruma à Austrália em busca do marido, convencida que este a anda a trair. Quando lá chega, percebe que as suas suspeitas eram infundadas e, perante uma inesperada tragédia, o seu destino passará a ser salvar o rancho “Faraway Downs” da ruína. Para isso, terá de se aliar ao “Condutor” (Hugh Jackman), um vaqueiro cuja rudeza é inversamente proporcional à delicadeza de Sarah. No entanto, no hostil deserto Australiano e com a ajuda de Nullah, um orfão muito especial que está ao seu cuidado, o profundo e explosivo ódio que sentem um pelo outro irá transformar-se num sentimento muito diferente…
Detalhes Técnicos
Duração: 159 min. Vídeo: Widescreen 2.35:1 anamórfico
Áudio: Dolby Digital 5.1 Inglês Checo Polaco
Legendas: Português, Inglês, Árabe, Checo, Grego, Hebraico, Islandês, Polaco
Comentários dos utilizadores: Escreva um comentário sobre este título
Um Épico surpreendente! (Pontuação: 9)
Já escrevi em tempos que os filmes épicos tiveram a sua época àurea durante as décadas de 50 e 60 do século passado. Nas décadas posteriores, poucos foram os títulos que mereceram essa designação pois o género nunca conseguiu cativar muito o público. Volto ao tema a propósito de "Australia", filme unãnimemente considerado um épico em todo o lado onde estreou.
Austrália, pouco antes do inicio da 2º Guerra Mundial, uma aristocrata inglesa chega ao continente em busca do seu marido convencida que ele a anda a trair. Porém, uma tragédia vai fazê-la mudar a sua ideia e um novo destino torna-se a sua missão prioritária.
Partindo de uma história por si idealizada, Baz Luhrmann realiza um filme de grande fôlego e que se vê agradávelmente, apesar das suas duas horas e meia de duração. Não são só as imagens maravilhosas que desfilam perante os nossos olhos, servidas por uma fotografia linda, é também toda uma história que, desde o prólogo (narrado por Nullah) situando-nos no tempo e na acção, até ao último momento nos cativa sem nunca perder o interesse, passando pelas cenas inesquecíveis da manada a fugir em direcção ao abismo, do bombardeamento de Darwin pelas forças japonesas ou toda a sequência final do êxodo da cidade bombardeada. Através duma montagem rápida e eficiente, semelhante aquela que usara nos seus filmes anteriores "Romeo + Juliet" (1996) e "Moulin Rouge"(2001), ao qual toda a cena do baile é um piscar de olhos, Baz Luhrmann mostra que sabe contar uma história em tom épico homenageando filmes ( "O Feiticeiro de Oz" é um deles!), géneros (há momentos a fazer lembrar o western ou o filme de guerra) e mestres de outrora ( ao vermos o rancho "Faraway Downs", o deserto e as montanhas, é impossível não nos lembrar-mos de John Ford), com as suas imagens estilizadas.
Ao contrário do que seria de esperar, Nicole Kidman, apesar de ser muito boa actriz e com créditos firmados, parece pouco à vontade a interpretar o papel da jovem aristocrata Sarah Ashley ( será de propósito ou apenas coincidência o nome Ashley, já que pertence a uma das personagens principais de "E Tudo o vento Levou", o maior épico da história do cinema?); já Hugh Jackman no papel de Drover, um vaqueiro duro e sem métodos que se choca intensamente com a jovem aristocrata, está como um peixe na àgua. É nele, e na espantosa interpretação do estreante Brandon Walters no papel de Nullah, a criança arraçada de preto e com poderes mágicos, que reside grande parte do sustento do filme, impedindo-o de ser amorfo e chato.
Incompreensivelmente, "Australia" foi apenas nomeado para o Oscar de Melhor Guarda-Roupa, que, por acaso, até nem é nada por aí além. Lamenta-se assim a ausência de outras importantes nomeações de que o filme era merecedor sem sombra de qualquer dúvida!
Para quem gosta de cinema, para quem gosta de um bom espectáculo, este é um filme a não perder!
Por Rui Cunha (ALGUEIRÃO)2009-06-17
Se gostou deste título, também recomendamos:
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer
Trailer

Últimos comentáriosPróximos Lançamentos